Carne

Na carne a navalha. Plínio Marcos a suspeitar. No barbeiro a navalha, fica-se imóvel na cadeira. Na mão do médico o bisturi que não permite erros, enquanto os familiares esperam ansiosos pelo resultado da cirurgia. Água de colônia ou água de cheiro como preferem alguns. A barba está feita. pronto! Você já não se parece mais com gente, voltou a ser um mísero humano a dar gorjetas e sentir-se abonado. A família espantada o vê sem barba mas prefere comentar apenas que foi tudo bem na operação. Tudo volta ao normal. Apenas você não entende pois, sabe que um dia irá precisar do corte de um bisturi ou do traçado de uma navalha novamente, tendo a vida por um fio. a vida não vale a carne que sustenta.